quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Para Douglas (In memoriam)



De repente, percebemos que somos instantes finitos de corpo e alma. De repente, percebemos a necessidade de ouvir o outro e compartilhar nossas alegrias e angústias. De repente, o tempo se faz em silêncio e desejamos voltar e mudar o destino como se fosse possível fazê-lo.
Compreender a vida não nos faz fortes o suficiente para aceitar a ausência daqueles que fizeram parte de nossa existência. Possivelmente, não encontraremos respostas ou mesmo aceitaremos o destino facilmente. No entanto, o certo é que teremos na memória a beleza da vida daquele semelhante, poeticamente, chamado: amigo.
Fica um pouco de tristeza nos olhos. Fica um pouco de amargura na despedida. Fica um pouco de saudade em toda hora. Ficam as coisas que poderiam ser ditas para sempre na memória.
Triste quando a amizade se perde assim no infinito. Mas o amor é mais forte que a morte.


Edemir Fernandes Bagon