sexta-feira, 12 de julho de 2019

Lunar


Há um tipo de querer  que pode ser completamente desmedido.

A razão não dá conta de tudo. 
Nem sempre as coisas desse mundo são como se apresentam diante dos olhos.



P.S. :  vejo a lua para me lembrar de você .



Edemir Fernandes Bagon

terça-feira, 2 de julho de 2019

Mar


Se as mãos tocarem o céu através do vidro
Se atrás do mundo estiverem seus cabelos
Se o silêncio não quiser mais ser olvido
Se o mar inadvertido for tomado de um desejo

Se os olhos descobrirem todos os meus defeitos
Se a luz se cansar de mostrar os sonhos encobertos
Se a tarde chegar e tiver que andar por sobre o mar
Se eu deixar de ser quem fui para ser seu


Se estiver concebido no mistério
Se tocar em mim, revivo
Se partir agora, serei lembrança
Se chegar mais tarde, espero


Edemir Fernandes Bagon




terça-feira, 18 de junho de 2019

June 15th, 2019.



i think that i will search for your green eyes tomorrow


but i don't know what's happening with my mind
i don't know what's wrong with me

the sea holds my hairs with all force of the world

the wind draws my soul 
the last song 
the last night 

i come back from unknow place
            and from somewhere i hear your name 


the  skyscrapers 

the rivers  
the bridges
the black jacket 


the lights
the black dress


my hands write in  your body
            

my love.





edemir fernandes bagon



sábado, 1 de junho de 2019

Corais



Num tempo
                    e noutro
descanso.



tira de mim
                  para me colocar
no mundo,



meu amor.


                                               


Edemir Fernandes Bagon

terça-feira, 21 de maio de 2019

Cais



amor é perder-se no verde intenso e diminuto de seus olhos

sentir o teu corpo
ouvir tua voz [mar de alento]

amor é domínio completo
num silêncio perdido deixado no ouvido em forma de beijo

um poente sobre lençóis de lembranças

amor é um dividido por inteiro
     quase profano
     (e) quase sagrado

tocado em suas mãos, (*)




Edemir Fernandes Bagon


sexta-feira, 15 de março de 2019

Commedia dell'arte

Gritava pelo mundo que não era ainda quem pensava ser. Era tudo uma história inventada por sua própria alma. Não havia motivo para deixar de lado aquela farsa, pois, dizia ele,  "sinto-me feliz dessa maneira". Talvez fosse a vida muito melhor assim. 


Edemir Fernandes Bagon



Tartaglia (commedia dell'arte)


terça-feira, 12 de março de 2019

Salvação



[entre o torto cartaz de emprego colocado na Avenida do Estado e o antigo portão escorado no tempo, desvencilham-se do amargo da vida os olhos tristes do menino Isaías]



 Edemir Fernandes Bagon