sábado, 23 de julho de 2016

Diário


As janelas continuam abertas.
Quase noite.

Na casa ao lado, a mulher espera calada a chegada do filho.
Atrás do meu cômodo, um casal de velhos calados espera a vinda do neto.
Em frente ao portão de casa, o pai da menina descansa na cadeira colocada no quintal.
Os latidos que não param.

Os olhos deixam as páginas de Dostoiévski.
O coração é acusado injustamente.


Edemir Fernandes Bagon

terça-feira, 19 de julho de 2016

Anunciação


O mundo nasce nos olhos
como pele de elefantes tocando as flores


O mundo nasce nos olhos
como cartas de viajantes encontrando a saudade


O mundo nasce nos olhos 
transformando a alma escrita no corpo


O mundo nasce nos olhos
para ver o amor apenas em parte 



Edemir Fernandes Bagon


domingo, 26 de junho de 2016

Entrelaçamentos


O destino é o que não vem agora
É o que entrelaça o depois procurando o fim

Por onde anda
Por onde vai o querer
Por onde segue a lembrança

O destino é uma invenção da vida


Edemir Fernandes Bagon





sexta-feira, 27 de maio de 2016

Carbono


Pouco a pouco a gente vai entendendo o que fica na lembrança
Não é tão simples deixar atrás de si as memórias
É a alma que sente o que não existe fisicamente
Cadeias de carbono não significam absolutamente nada para os olhos de quem fica na janela esperando seu amor voltar



Edemir Fernandes Bagon