sábado, 11 de fevereiro de 2017

Cadafalso

interior

silêncio inconformado
     céu transparente agarrado à cor da cortina



resposta que virá ou nunca
história do sem fim


desatino


inquietar-se nos ombros feitos em forma de âncora
trancar-se atrás de portas quebradas


em qualquer destino o medo inventa uma história acabada


Edemir Fernandes Bagon

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Lâmia


linha tênue
descaminho em sentido contrário cheio de implícitos

o tempo entre os laços dos fios e dos pedaços estilhaçados dos espelhos
em parte desalinhado passado

ausência


Edemir Fernandes Bagon


sábado, 14 de janeiro de 2017

Ana Carolina & Seu Jorge


Conflito

o tempo nascido nas estrelas
a poeira escrita nos olhos
o corpo dividido na alma
o passado inventado na ignorância dos sentidos

caminhos sem margens
cruzes nas pedras do mirante

o medo não acordado
a voz correndo no quintal da infância

a vida imersa
num espírito imundo


Edemir Fernandes Bagon


segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Cárceres













Rasgam cinzas os insanos perdidos nas ruas
Queimam pétalas nos olhos dos faunos

Vieram pelas moedas de ouro
Trouxeram lagos de areia como dádivas para o mal


Tergiversam os pobres nos murais e porões
Sombras dos muros apodrecem em nome das leis

As lanças apontadas para a vida dos incautos
Os cães sem nome bebendo a água com sal e vísceras

Os círios transformam escadas de ferro em prata

Impérios sob os canais de sangue inventam naus aladas
                                                Pedras entalhadas no céu
Valas e calhas desfiguram a carne dos culpados sem rito

Nobres e falsos celestiais nas marquises dos templos

Cárceres úmidos desaparecendo na poeira dos corpos desnudados
As formas justas das injustas formas das imagens dos vidros encarnados


Edemir Fernandes Bagon





segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

O dia do perdão


Foram dias esperando chegar a notícia do retorno de Santiago. Deu tempo para esquecer todas aquelas palavras que ambos disseram naquela noite. Por insistência de sua mãe, Pedro quis perdoar seu irmão. Fosse talvez mais jovem, não aceitaria refazer o destino.

O certo mesmo era que, em menos de trinta dias, Pedro haveria de partir.  A hora era incerta. O pâncreas lutava contra seu signo. O sol nascia com as dores em seu corpo. Os olhos desertavam. Ele sabia... e a mãe sentia suas mãos com serenidade.

Santiago havia telefonado em dois momentos antes de sua chegada. Dona Lurdes respondia-lhe com brandura. Tinha numa das mãos uma foto dos filhos pequenos. Colocara, na estante, outros dois retratos nos quais os meninos estavam seguros nos braços do pai.

Tão logo ela desligara o aparelho, Pedro chamou por sua presença. Encostou nela seu mistério e, por fim, olhou-a com a alegria de quem pudesse ter de volta os melhores dias da infância.



Edemir Fernandes Bagon

terça-feira, 22 de novembro de 2016

A questão do Negro no Brasil: a violência e a escola

Teríamos muito para comemorar neste Dia da Consciência Negra, se não fossem os dados estatísticos apresentados em estudo denominado Homicídios e Juventude no Brasil, do Mapa da Violência (2013)*. Os números são alarmantes: morrem 153% mais negros do que brancos por homicídios no país e, conforme apontamentos do Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, há cinco anos, 71,4% das 49,3 mil vítimas de homicídios eram negras. O que se vê, portanto, é o abismo entre o discurso falacioso da pretensa democracia racial e a realidade de boa parte da população brasileira que, infelizmente, é marcada pela indiferença e pelo preconceito histórico vinculado à cor da sua pele. 
Evidentemente, do ponto de vista jurídico, alguns avanços foram notados nas últimas décadas: em 1951, foi criada a Lei 1390/51, mais conhecida como Lei Afonso Arinos; e, em 1989, a Lei 7716/89 - mais conhecida como “Lei Caó”- proposta pelo jornalista, ex-vereador e advogado Carlos Alberto Caó Oliveira dos Santos, previa a igualdade racial e o crime de intolerância religiosa. Sem dúvida, as penalidades atribuídas por essa lei foram significativas na tentativa de construção de uma sociedade mais justa nas suas relações inter-raciais. Todavia, a violência e a brutalidade demonstradas na pesquisa supracitada revelam que, na verdade, o direito de existir e de ser negro, no Brasil, está muito longe do ideal preconizado pela legislação. 
Outro aspecto, extremamente negativo, apontado pelo estudo: ao se observar os homicídios em meio à população jovem (o Mapa da Violência 2013 considerou apenas pessoas com idade entre 15 e 24 anos), no país, morrem 237,4% mais negros que brancos. Tendo em vista todas as possibilidades de desenvolvimento humano (cultural, educacional, profissional e social), nessa faixa etária, especificamente, não nos é difícil chegar à conclusão de que uma geração inteira de potencialidades está sendo perdida e jogada numa vala comum. Resta-nos ainda indagar: a quem interessa tantas mortes? A uma elite econômica majoritariamente racista e preconceituosa? A um Estado subserviente e ineficaz na defesa dos direitos humanos? Aos defensores de teses retrógradas do século XIX e início do século XX (teses do branqueamento e eugenia)? 
Urge, portanto, a construção de uma sociedade mais humana e dotada de valores voltados ao bem comum, à igualdade e ao respeito entre todos. Obviamente, a Educação se torna um caminho viável para mudanças radicais e profundas no contexto apresentado desde que favoreça a um amplo debate acerca da questão do negro no Brasil e não apenas reproduza a "espetacularização" dessa condição – como se vê em projetos comemorativos do Dia da Consciência Negra nos quais o homem negro é lembrado como objeto de estudo, mas esquecido enquanto sujeito de sua própria história. O Dia da Consciência Negra deve ser ensinado todos os dias da vida a fim de serem evitadas tantas mortes no cotidiano dos nossos atuais palmares.

Edemir Fernandes Bagon

*  HOMICÍDIOS no brasil: 71,4% das vítimas são negras. Uol. Brasil, 13 may. 2014. Disponível em:< https://noticias.terra.com.br/brasil/homicidios-no-brasil-714-das-vitimas-sao-negras,6e8009c39f0f5410VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html>. Acesso em: 21 nov. 2016.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Espelhos


_______________________

Os destinos dormem nas escadas e
Envelhecem nos corpos

Os deuses esperam que Deus caminhe sobre as águas
Despejando seus olhos em vinganças

Caem as flores
E os frutos não nascem

No ventre das palavras e atrás da alma
São pregados os espelhos
_____________
Edemir Fernandes Bagon


 'Minotaure aveugle guidé par une fillette dans la nuit' (1934), Pablo Picasso




sábado, 1 de outubro de 2016

In nomine patris


Disse que um dia voltaria. O pai pegou as malas e dirigiu-se até o portão da casa. 
Desapareceu nas ruas e nunca mais foi visto em canto nenhum do mundo.
O menino ficou na janela esperando seu retorno. 
Sem perceber a vida, foi sentindo seu corpo franzino ganhar forma. 
Um dia, porém, desistiu da procura do pai. E ficou para sempre na memória.

Edemir Fernandes Bagon

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Regresso

Acervo particular - Três Lagoas (MS)


Escuta a leitura dos versos de Lorca
E também os encantos da música de Nina
Guarda em armários de prata a espera
E os acordes da alma

Transforma as linhas em princípios
E carrega nos braços as súplicas das flores
Divida a vida em províncias e literatura
Percorra o mundo para além do corpo

Quando voltar de tão longe


Edemir Fernandes Bagon

O que me importa - Marisa Monte

domingo, 28 de agosto de 2016

Pedras de Ur


Faces dos incrédulos esculpidas em orgulho de carrara
Escaravelhos aprisionados pelas serpentes da cidade de Ur

Instinto em cordas de enforcamento na morada dos homens
Cada dia em cada volta do assombro da espera

Bandeiras e lanças e lençóis
Sobre corpos mutilados em tela vistos pela alma

Metrificadas as pedras dos versos da solidão
Seriam as feridas as filhas dos rios infernais(?)

Calafrios balançam nos barcos que navegam nos escuros
Mirante dos olhos daqueles que vencem

Ponto e espaço e vazio invertidos
Em desordem por entre os grãos das areias antigas


Edemir Fernandes Bagon









sábado, 23 de julho de 2016

Diário


As janelas continuam abertas.
Quase noite.

Na casa ao lado, a mulher espera calada a chegada do filho.
Atrás do meu cômodo, um casal de velhos calados espera a vinda do neto.
Em frente ao portão de casa, o pai da menina descansa na cadeira colocada no quintal.
Os latidos que não param.

Os olhos deixam as páginas de Dostoiévski.
O coração é acusado injustamente.


Edemir Fernandes Bagon

terça-feira, 19 de julho de 2016

Anunciação


O mundo nasce nos olhos
como pele de elefantes tocando as flores


O mundo nasce nos olhos
como cartas de viajantes encontrando a saudade


O mundo nasce nos olhos 
transformando a alma escrita no corpo


O mundo nasce nos olhos
para ver o amor apenas em parte 



Edemir Fernandes Bagon


domingo, 26 de junho de 2016

Entrelaçamentos


O destino é o que não vem agora
É o que entrelaça o depois procurando o fim

Por onde anda
Por onde vai o querer
Por onde segue a lembrança

O destino é uma invenção da vida


Edemir Fernandes Bagon





sexta-feira, 27 de maio de 2016

Carbono


Pouco a pouco a gente vai entendendo o que fica na lembrança
Não é tão simples deixar atrás de si as memórias
É a alma que sente o que não existe fisicamente
Cadeias de carbono não significam absolutamente nada para os olhos de quem fica na janela esperando seu amor voltar



Edemir Fernandes Bagon

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Arcos


Os justos não perdem nada, pois entendem que o tempo é onipotente.
Por mais que sintam a alegria da criação, são eles incapazes de silenciar a contingência do ser.
Aceitam-na como um pedaço da doce vida.
O olhar e a voz dos justos se confundem com a beleza do amor juvenil.
Não lutam em vão, mas compreendem que a dor é humana.
Encantam o céu, colando grãos de areia.

Os justos não fazem ídolos de pedra ou conspiram com signatários do ódio.
Estão em toda parte encontrada no mistério.
Abdicam da solidão do poder a fim de servir.
Deixam sobre a terra a leveza.
Caminham pelas vielas escuras em busca de algo.
São como as escritas antigas e os arcos etruscos.
Os justos encantam desertos.

Edemir Fernandes Bagon







segunda-feira, 2 de maio de 2016

Manifesto

_________________________
Quer saber?
Se a Vida me oferecer outra chance, terei enorme prazer em dizer-lhe “não”.
Nascer de novo só para ter a certeza de que deveria ter feito tudo de outro modo, não tem o menor sentido.
O que passou... será para sempre.

"Pelo direito de amar uma vez sem ter traído ou ter traído sem ter sido amado.
  Pelo direito de ter sido estúpido sem ter sido louvável.
  Pelo direito de ter lido e esquecido tudo.
  Pelo direito de não ter tido influência de honoráveis hipócritas e imorais.
  Pelo direito de não voltar para o início com desculpas tolas por ter sido jovem.
  Pelo direito exclusivo de viver uma vez só em plenitude – com todos os erros cometidos".

Sem amarras, sem desculpas, sem nenhum sinal de cansaço em virtude de algum princípio humano e irracional – se me for oferecida outra possibilidade de viver, direi “não”.

______________
Edemir Fernandes Bagon



segunda-feira, 4 de abril de 2016

Rodapé


Tenho escutado meu coração nas tardes de domingo
Tenho visto as coisas que me cercam
Tenho feito tantas perguntas para Deus que já não me reconheço
Tenho procurado nos sonhos a razão dos medos
Tenho discutido comigo mesmo os meus pecados e minhas tristezas
Tenho desviado o destino por não saber para onde ir

Tenho encontrado tanto de mim nos salmos e cartas
Tenho ficado mais em silêncio e sozinho
Tenho tido menos esperanças que certezas
Tenho sido mais fraco e benevolente do que outrora
Tenho construído menos castelos de areia
Tenho inventado menos histórias

Tenho menos sabedoria do que imaginava ter
Tenho pouco ou quase nada de conhecimento que julgava um dia
Tenho escrito palavras que não leio
Tenho sido como vento
Tenho dormido nas cinzas
Tenho ficado na superfície das formas antigas

Tenho fechados os olhos para ver o mundo
Tenho sentido pouco do efeito do desejo de existir agora
Tenho tido o corpo aquecido pela ausência
Tenho compreendido sem ter sido
Tenho sido nota de rodapé de um texto sem sentido

Edemir Fernandes Bagon