sexta-feira, 21 de abril de 2017

White

Não havia mais tempo.
Era a hora de encontrar a si mesmo.
Compreender suas próprias escolhas e aceitar os erros.
O que poderia fazer da vida agora?
Restava-lhe ir a outro canto do mundo.
Seus olhos queriam ver as nascentes dos rios, embora todo o resto do corpo desejasse não ser.

Edemir Fernandes Bagon

quinta-feira, 30 de março de 2017

Cegueiras

prontas estão as armas
porque os olhos não enxergam as feridas

os desvios egoístas 
dos homens deformados pela ingratidão

as sombras caídas e abraçadas em terras escuras
os escárnios cruzando ruas e vielas antigas

os restos escolhidos pelo arbítrio 
livremente
o pouco tempo transformado em ausência eterna



prontas estão as armas.


Edemir Fernandes Bagon


Saturne dévorant un de ses fils (1819-1823), Francisco de Goya

sábado, 18 de março de 2017

Atos



Perder?
Não se pode pensar a vida dessa forma.
Existem tantos caminhos.
Presente e futuro.
Há um pouco de solidão nos versos.

Sentir?
Seria uma maneira de compreender o universo.
Difícil aceitar a verdade do que somos.
Enganar a própria alma ou interpretar a si mesmo?

Bondade?
Viver num mundo de aparências sem aparência.
Retirar as cores de um quadro para simplesmente vir a ser moldura.

Silêncio?
O que existe para além das formas?
Sonhos?
Perfeição?
Mistério?
Farsa?

O sentido da vida é um conto inventado por Deus.


Edemir Fernandes Bagon