quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Storm


Aceite o mundo e as coisas que se perdem no tempo

A ausência das cores 
As folhas nos cantos das ruas 
O destino transparente no contorno do olhar
A distância do encontro desfeito no acaso
A pergunta disfarçada de amor
As imagens coladas na saudade 

Aceite o mundo e as coisas que se perdem com o tempo

A pele escrita nas lembranças 
A cena de um sorriso 
As revoluções do imaginário 

Aceite o mundo e coisas que se perdem pelo tempo

A tradução das palavras que expressam a finitude da vida
O orgulho de ser o melhor em sua solidão 
O ciúme mesquinho pelas coisas sem valor
A inconsistência da paixão disforme perto do mar

Aceite o mundo e as coisas que se perdem além do tempo

Não se perdoe em vão para ter em seu silêncio a história daquilo que nunca foi.


Edemir Fernandes Bagon