segunda-feira, 4 de março de 2013

Guerra

quando dos caminhos se fizeram outros estreitos
e do orgulho enormes pedras foram deixadas no céu

instantes inteiros vieram em busca de amor
para mitigar a fome dos silêncios perdoados

cadeados encontrados nas ruas das lembranças
distanciamentos sorridentes  deformados em seres violentos

discursos de paz ensanguentados no ódio e no sentimento de superioridade
castrados por números digitados e debruçados sobre as mesas do Estado

para onde irão as mãos erguidas em favor da vida e da humanidade
os monstros se escondem nas escolas pitagóricas

e os versos  nas florestas se libertam dos machados
destino e palavras se equilibrando para vencer os olhos do mal



Edemir Fernandes Bagon