sexta-feira, 21 de junho de 2013

Encanto


Eu não me calo dentro de mim
Converso com meu coração
Coisas que só eu mesmo compreendo
Revelo a mim mesmo a minha essência e o meu desejo
Construo e invento objetos que sou
Me afirmo e me nego como quero

Dentro de mim o sonho e suas formas escrevem poemas
Espero pelo Tempo com paciência
Sento-me diante dos meus olhos
Com a mesma simplicidade de menino
Ainda que eu seja por fora um outro bem distante

Não me calo por dentro porque não sou governo
Não me calo por dentro porque não sou escravo
Não me calo por dentro porque não sou espelho
Não me calo por dentro porque não sou sozinho

O silêncio me encanta lá fora.

Edemir Fernandes Bagon