terça-feira, 11 de novembro de 2014

Tecidos


o tempo vai desfazendo suas linhas de tecido
             palavras envelhecem como espírito

             vai desconstruindo precipícios
tênue margem entre o que busca e finge

            doce feito virgem num caleidoscópio
raro dentro do corpo em tons de amor

            desfigura a vida violada pelo medo
vira novelo sem fim



Edemir Fernandes Bagon