domingo, 28 de agosto de 2016

Pedras de Ur


Faces dos incrédulos esculpidas em orgulho de carrara
Escaravelhos aprisionados pelas serpentes da cidade de Ur

Instinto em cordas de enforcamento na morada dos homens
Cada dia em cada volta do assombro da espera

Bandeiras e lanças e lençóis
Sobre corpos mutilados em tela vistos pela alma

Metrificadas as pedras dos versos da solidão
Seriam as feridas as filhas dos rios infernais(?)

Calafrios balançam nos barcos que navegam nos escuros
Mirante dos olhos daqueles que vencem

Ponto e espaço e vazio invertidos
Em desordem por entre os grãos das areias antigas


Edemir Fernandes Bagon