Decantação


o amor que vai embora na clareza das horas
                            perdoa o tempo da solidão,
                            porque não se cabe nunca no vazio da espera.

os sonhos são apenas a medida daquilo que os olhos alcançam
                            desenhos cerzidos em nuvens
                            [que] decantam o invisível dos tecidos feitos na memória.


Edemir Fernandes Bagon

Postagens mais visitadas deste blog

Cantiga de Amigo do Século XXI

O discurso retórico na arte de Rugendas: um novo olhar