domingo, 11 de abril de 2010

Esperar



Caminhar sem as impressões do destino

ou
lembrar apenas do que se foi para
refazer a vida?

Talvez a fé possa traduzir o doce encontro

ou talvez o sonho?

(longe o mar se equilibra sobre a fúria da saudade num barco que navega sem amor)


As coisas deixam

de ser como as sonhamos
ou
o destino ?

Por onde se encontra sinceramente a vida?


Nas escolhas feitas em nome do imponderável ou naquelas determinadas pela forma mais exata e calculada?


De um lado os caminhos são escuros, sombrios e tristes.


No entanto, existem tantos outros que se formam nas matizes de todas as cores do mundo.

De repente, os pés se enchem de cores diversas até o ponto em que nada é visto (por serem tão puras).

E, contrariamente, as impressões se calam e viram pedras no fundo de um oceano.


Os cabelos que caem terão destino?


Quando não se espera, não há dor... 

Ou o melhor amor é a esperança?
Por onde se encontra verdadeiramente a vida?



Edemir Fernandes Bagon