quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Chácara de Cajamar

Descansa tranquilamente, pai.


Porque a vida ainda está triste.

Não tenha pressa nenhuma em partir,
                                                       porque a saudade é como gota de chuva que não preenche nunca  o vazio do mundo.

Seja o canto das formas circulares para que eu o procure em minha vida toda

Para que eu compreenda o erro conceptual da linguagem

Para que a verdade eu encontre nas ideias e imagens



Se fossem meus os instantes, eu os entregaria para sempre

Se fossem minhas as histórias, deixaria apenas o fim para te contar os feitos heroicos

Se me fosse dada a escolha de viver outra vez,

Eu seria a sua voz grave para me chamar de filho

E sentarmos na calçada e vermos a chuva triste ir embora



Pai, venha me ver porque continuo com os instantes em minhas mãos.