domingo, 5 de dezembro de 2010

riso, rios, céus de prata

livremente caminhar
para dentro do coração
com armas em punho

descer ao inferno
com um sorriso irônico
e mentir com uma rosa na boca

por entre os dedos
e dentro dos olhos
um escudo de bronze

cintilam estrelas
folhas de prata
nos cantos do céu

e, por fim, um rio
com horas no fundo
peixes boiando com câncer

existirá sentido nas cores da realidade?

tempo fora do corpo
espaço dentro da alma
pelos poros interagir
descolorindo as palavras.


edemir fernandes bagon