sexta-feira, 15 de março de 2013

Gavetas


Os instantes se calam com o tempo
e, por onde nenhuma certeza caminha,
o desejo de ser  mais intenso se revela

Pouco se sabe o que somos de verdade
e, também, não há nenhuma possibilidade de revisar o que dissemos
Viver é ir desistindo aos poucos de alguns consertos
lendo escritos em explícitos silêncios

Querendo ou não
os destinos desatam os nós das lembranças
e as maiores perdas viram  apenas papéis avulsos -
esquecidos em gavetas de estanho para onde sempre vão as histórias imaginadas no sem-fim

Como um personagem interpretando o ator
Como um filho criando o pai
Como uma restauração do moderno em antigo
Como um império destruído e reformado por mendigos e escravos

Caminhamos de mãos dadas em direção aos sonhos
Somos plásticos nos jardins sem flores
Murais cortados por espelhos inteiros
Viver é ir desistindo aos poucos de alguns consertos

edemir fernandes bagon