segunda-feira, 4 de maio de 2015

Estacionamento

Eu me procuro no tempo
Esperando a chuva terminar
Esperando a palavra criar o mundo
Esperando os olhos lerem o céu e o mar


Eu me procuro o tempo inteiro
Inventando espaços verdadeiros em mim
Colando pedaços de papel nos vidros da infância


Eu me inscrevo no que vier sob a forma de destino
Escravizando o escândalo como efeito do desejo
Eu me procuro sendo seu espírito
Eu me reconheço como fim daquilo que não veio


me transformo em música feita de silêncio
abraçando-me o peito como tornado o seu amor desfeito

e eu me procuro...
não sei em qual tempo e tampouco em qual mundo



Edemir Fernandes Bagon