sábado, 12 de setembro de 2015

Enquanto


O medo  está sobretudo na ideia  de que o destino possa de fato existir
                                                 e de que a multiplicidade dos eventos esteja sob o domínio da razão

ou  que seja uma pretensão dos homens em fazer do amor uma categoria do discurso apenas

prefiro buscar compreender a vida  a partir de suas próprias contradições
visto que os olhos só entendem os caminhos imaginados ou deixados no tempo


por hora me encontro em paz com os instantes (que não são deuses e nem nobres)



fossem os desejos prescritos em leis
fossem sabidamente reconhecidos os lugares  em que as sementes se abrem para acolher o mundo

ou tivessem os jovens amantes dons de profecia



o medo não significaria forma de opressão nenhuma
porque o destino transfigurar-se-ia em humanidade



existiriam assim os caminhos do mundo

por enquanto



Edemir Fernandes Bagon