quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Balas Fini

O trem aproximava-se da plataforma. 
Homens, mulheres e crianças. 
Vendedores entoavam suas frases de vendas.
Vozes, moedas e destinos.
Um menino de nove anos segurava uma caixa de papelão e, incansavelmente, repetia : 
- Balas Fini, um real! Balas Fini, um real! 

Entregou o troco para um passageiro. Encostou a caixa na porta automática. Sentou-se no assoalho. Observou  pela janela a presença dos guardas.

"Estação Osasco! Desembarquem pelo lado direito do trem!"

Fingiu que estava procurando onde descer. As portas foram fechadas. Os homens de azul-marinho não entraram. 
O menino, então, com sua voz aguda, recomeçava a vida (?). 
- Balas Fini, um real! Balas Fini, um real!  O rapa partiu, camelô sorriu! Balas Fini, um real!

Edemir Fernandes Bagon