quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Libertação



Clara escondeu a alegria quando soube da morte de seu marido. Seu pensamento: livre. Estava livre e a primeira coisa a fazer seria: cortar os cabelos. A segunda, convidar a melhor amiga e ir ao parque. Terceira: não sabia o que fazer. Mas era bom sentir-se viva. Era como no dia em que fora à escola pela primeira vez. Descobrir as letras, as sílabas, as palavras... os números.
20, 40, 54 anos... viu e não viu o que se passou. E o que se passou? Nem mais se questionaria, não o era necessário. Tinha em mão apenas a necessidade de ser livre e isto o que lhe importava. Calara-se para o mundo durante a vida e agora não queria falar. Seu silêncio não era silêncio. Era linguagem, era milagre. Era a vida contida e descontínua pelo desamor do sonho. O sonho... Imenso corpo desenhado no mundo.
Seu corpo desenhado no céu se fortalecera tanto que não se reconhecia mais a esposa, a viúva, a que recebia os pêsames sem pesar. Jamais imaginou que faria com gosto o aperto de mão ou o abraço de amigos do outro que vieram velar. Lembrava-se disso com repugnância, não obstante sentira-se mulher.
E isso lhe era algo novo. Sentira-se mulher. Desde menina desejava saber o sentido daquela palavra. Fora antes filha - mãe - companheira - esposa. O que seria de agora em diante? Rasgava-se em risos. Gritava o nome santo de femina. Era ela independente e soberana. Era ela amor. Viu seu ser na expressão máxima do amor, viu seu ser na expressão máxima do ser livre.
Livrara-se do amor do desejo da carne. Guardara-se no coração. Encontrara a vida. Viu no passado toda tristeza do pai que se deitara a seu lado com seu corpo imundo. Ouviu no passado toda palavra suja do marido. Viveu no passado todo castigo torpe. Engoliu o cuspe do homem imundo e desejou a morte por quase a vida inteira.
Clara não era mais Clara. Naquela tarde, porém, depois da chuva, caminhou com alegria pelo meio-fio da rua e seguiu até onde se via a nascente do arco-íris. Estendera os braços e brincou de balanço no tempo presente com todos os sonhos de infância no sorriso.
Perdoara-se e, com a própria vida, soprou em si o princípio de sua história: todas as letras, todas as sílabas, todas as palavras e todos os números lidos agora de outra forma.

Edemir Fernandes Bagon