terça-feira, 4 de outubro de 2011

Travessia

descoberto o coração:  talvez seja ele entregue a qualquer um que entenda o silêncio do Amor

(o sino que fica sobre a pele  se os olhos forem descobertos ou procurados  nos textos do silêncio)

dádiva dos que se perdem nos poros e na miséria



sempre há lembranças porque somos mitos escritos com sabor de ausência

quase revoltas  que não se deixam ser

universos velejando sob os olhos antigos


descoberto o coração: não somos mar e nem barcos


edemir fernandes bagon