segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Archangelus

Miguel cresceu pertinho do mar.
Brincava todo o tempo com as ondas que vinham despertar a areia da praia.
De longe, a mãe chamava seu nome:
 - Miguel! Miguel! Vem, anjo!

Um dia, Miguel amarrou uma linha na cabeça de um peixe morto e correu pela orla inteira imitando o barulho de um carro.
A mãe achava graça de ver na mão do seu menino uma linha  enrolada nos restos do peixe do mar.

- Miguel! Miguel! Vem, anjo!

A voz da mãe ecoou nos cantos do mundo como a de um arcanjo contra dragões inimigos e anjos infiéis.

Miguel não veio.


Edemir Fernandes Bagon