quinta-feira, 17 de junho de 2010

Reflexão acerca da Educação Contemporânea



Os que procuram conhecimento desejam estabelecer um vínculo de amizade com aqueles que ensinam. Esse vínculo é, portanto, um ideal pressuposto no processo de ensino e aprendizagem. Etimologicamente, a educação significa "guiar, conduzir para fora”. Assim, é o educador essencial para que o mundo exterior seja ao educando explicitado. O filósofo Sócrates afirmava ser a amizade ("φιλíα" transliteração para o latim: "philia") um meio de conhecimento do mundo e de si próprio. Nesse contexto, a relação professor-aluno precisa ser fundamentada em valores de confiança mútua, estabelecidos a partir do antigo conceito de philia.

Quem aprende, precisa confiar naquele que ensina. A confiança passa a existir à medida que a educação seja vista enquanto bem comum. Sendo assim, o mestre não deve ser considerado, e tampouco considerar-se, um ser superior. Antes, porém, ser reconhecido (reconhecer-se) em sua singularidade e em seu caráter receptivo-interativo, permitindo a fruição da beleza do ato de ensinar e de aprender (com amor e respeito).

Pode-se dizer, também, que os educandos constroem para si um novo sentido da palavra educação quando reconhecem na pessoa que ensina um ser humano que valorize o outro. Para tanto, é necessário um novo olhar do educador em relação ao aprendiz. O professor não deve invalidar, mediante "pretensa" autoridade, a existência e a voz do aluno. Este, por sua vez, precisa reconhecer a figura humana do professor enquanto valor. Logo, a amizade se faz essencial para que sejam atingidos os fins últimos do processo de aprendizagem.

É preciso refletir profundamente sobre o significado da antiga paideia em tempos modernos. Longe de ser um anacronismo, esse conceito se apresenta como alternativa positiva para a reconstrução de uma sociedade contemporânea em crise. Não nos restam dúvidas de que a amizade e o conhecimento podem juntos despertar o gosto pela beleza da vida e do saber. Eis o sentido da verdadeira educação: revelar o mundo ao ser. Já que os valores éticos apresentam-se tão esquecidos por tantos governos e indivíduos, o momento se torna propício para uma reflexão acerca do conceito grego de paidéia com a finalidade de serem encontradas soluções para os graves problemas enfrentados pela Escola atual.

Edemir Fernandes Bagon